Em meio à campanha Setembro Amarelo, saiba como ajudar ou ser ajudado com tratamentos online e um acompanhamento profissional atento

Neste período atípico que vivemos, nunca foi tão importante falar sobre saúde mental. Este ano, o Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, acontece em meio à uma pandemia, momento em que as pessoas estão praticando o distanciamento social e, portanto, isoladas e em contato ainda maior com seus sentimentos mais íntimos.

De acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde, cerca de 800 mil pessoas tiram suas vidas por ano no mundo, o que significa uma morte a cada 40 segundos. No Brasil, são registrados em torno de 12 mil suicídios anualmente, sendo que mais de 96% dos casos estão relacionados a transtornos mentais que poderiam ser tratados.

A atual crise gerada pelo Coronavírus nos colocou dentro de casa, mudou nossas rotinas, nos distanciou de outras pessoas, sendo um cenário que pode agravar consideravelmente o nível de angústia do indivíduo e desencadear transtornos mentais que, quando não tratados, podem se tornar novas estatísticas de suicídio. Tudo isso somado aos aspectos socioculturais e financeiros e ao aumento do índice de desemprego nos tornam mais vulneráveis a ter sentimentos negativos que podem sinalizar a necessidade de ajuda imediata.

Assim, a teleconsulta (consulta virtual) com psiquiatras e a psicoterapia online surgem como novas formas de assistência, que permitem que o indivíduo realize um tratamento multiprofissional à distância, seja acolhido com agilidade e tenha o cuidado com sua saúde mental ampliado.

De acordo com Dr. André Pastana, psiquiatra da equipe do Médico24hs, em tempos de pandemia, a telemedicina é uma ferramenta indispensável.

“Com uma boa internet, é possível se conectar com o afeto de um paciente através de uma avaliação online pela plataforma. A escuta atenta é primordial, e alguns pacientes se sentem até mais à vontade e menos receosos com o encontro virtual.

A telemedicina veio para estreitar as distâncias e permitir que o paciente seja atendido no conforto do seu lar, sem precisar se deslocar ou se expor ao Coronavírus, uma vez que clínicas e consultórios são considerados locais com alto risco de contaminação. As receitas e documentos médicos são disponibilizados de forma rápida e digital, e o acesso via SMS deixa tudo mais prático e simples para o paciente”, comenta o médico.

Saiba quando buscar ajuda para você ou oferecer ajuda para alguém

De acordo com o especialista e com dados divulgados pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), os transtornos mentais relacionados aos casos de suicídio são a depressão, o transtorno bipolar, o abuso de substâncias, a esquizofrenia e os transtornos de personalidade borderline ou antissocial. Ou seja, todos são tratáveis, requerem acompanhamento profissional e apoio da família.

Para Dr. André Pastana, acredita-se que a natureza do suicídio seja ambivalente, ou seja, é coexistente o desejo de morrer e o desejo de ser salvo.

“Na grande maioria dos indivíduos, o desejo de morrer é frágil. A pessoa tem o desejo de dormir para sempre ou desaparecer. Quando isso passa a acometê-la, já é hora dele procurar ajuda. Certamente, se ela não procurar, mais cedo ou mais tarde a sintomatologia vai voltar, e costuma vir pior.

Muitas vezes, a família negligencia dos sintomas do paciente com potencial risco de suicídio. Na grande maioria dos casos, o indivíduo dá sinais, quer seja com dizeres, atitudes ou manifestação nas redes sociais. Se interessar na escuta do que o outro tem a te dizer e considerar a angústia e o sofrimento é muito mais importante do que tentar negar que o problema existe”, orienta o psiquiatra.

Esteja atento aos seguintes sinais:

  • Redução do autocuidado e dos hábitos de higiene
  • Desanimo em realizar atividades que antes lhe davam prazer
  • Isolamento do convívio social, quando as recusas de estar com pessoas se torna muito frequente
  • Falta de vontade de viver ou angústia excessiva
  • Bruscas oscilações de humor
  • Aumento de atitudes agressivas e impulsivas
  • Automutilação, especialmente em adolescentes
  • Abuso do uso de álcool e de outras drogas

De acordo com Dra. Gabriela Armond, psicóloga, psicanalista e responsável técnica do Psicologia24hs– nossa plataforma de psicoterapia online, falar sobre o suicídio não é falar sobre a morte, pois ele é procurado como um ato diante da dor, ou seja, a pessoa não busca necessariamente morrer, mas sim o fim do seu sofrimento.

“É preciso dar dignidade ao sofrimento humano. Quando a gente fala de suicídio, falamos sobre a dura experiência de viver. Porque o morrer é fácil, difícil é viver com perdas, separações e sofrimentos. O quadro depressivo e melancólico traz uma desesperança e um desligamento do mundo. É preciso olhar para essas situações com bastante critério, pois é nelas que o suicídio aparece mais. Eu penso que são desperdícios de vida, já que uma simples palavra, um espaço para ser escutado pode salvar e trazer uma luz àquele sujeito.

Ser ouvido é exatamente esse fio de conexão que traz a possibilidade de criar relações, afetos, vínculos. Então, se o suicídio é uma possibilidade para a pessoa que está em sofrimento, a palavra também é. Falar sobre isso é dar lugar às pessoas que estão sem esperança, aos familiares de quem se suicidou, às pessoas que tentaram, não conseguiram e estão aí revivendo essa possibilidade ou recriando uma oportunidade de vida. No lugar de se ausentar de falar sobre suicídio, vamos falar sobre a vida”, salienta a psicóloga.

Está se sentindo desvalorizado, angustiado, precisando desabafar, se sentindo julgado, sem resposta, com uma má percepção do valor da sua vida? Ser tratado por um psiquiatra e escutado por um psicólogo é fundamental. De forma amorosa, acolhedora e profissional, este trabalho multidisciplinar é capaz de te ajudar a lidar com esses sentimentos e encontrar um novo significado para o sentido da vida.

“Cada indivíduo precisa encontrar mecanismos e alternativas saudáveis de lidar com o estresse. Aqui, eu destaco: o esporte, a psicoterapia e o desenvolvimento da espiritualidade. Evitar pessoas tóxicas e situações estressoras também pode fazer parte da estratégia. Pedir ajuda e reconhecer que algo não está indo bem, é o primeiro passo. Se você procurar suporte profissional, não irá significar que é fraco, pelo contrário”, conclui Dr. André Pastana.

Conte conosco para que você receba um apoio imediatamente. Sua vida importa para nós!

Brasil Telemedicina

Autor Brasil Telemedicina

Mais artigos por Brasil Telemedicina

Deixe uma resposta












 
close-link