Conheça mais sobre essa doença, que causa dores crônicas em inúmeras partes do corpo ao mesmo tempo e atinge mais de 10% da população, principalmente as mulheres.

De acordo com a Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED), 37% da população brasileira convive atualmente com alguma dor considerada crônica. A fibromialgia é uma das principais causas, respondendo por mais de 10% dos diagnósticos médicos. Estima-se que cerca de 5 milhões de pessoas no Brasil têm fibromialgia, com predomínio do sexo feminino (80% dos casos diagnosticados), principalmente entre os 35 e 44 anos. Embora a doença seja mais comum a partir dos 35 anos, também há casos em pessoas mais jovens, como crianças e adolescentes.

Médicos plantonistas na palma da sua mão

Quero consultar agora

Médicos plantonistas na palma da sua mão

A fibromialgia é uma doença silenciosa e não é possível detecta-la em exames laboratoriais. Muitas vezes, é encarada pelas pessoas que convivem com o portador como apenas um transtorno psicológico ou ainda como drama, o que piora ainda mais os sintomas. Na verdade, a doença é um transtorno de dor crônica generalizada e que traz grandes impactos na qualidade de vida do paciente. Em alguns casos, até receber um abraço dói, pois o sistema cerebral – que regula a dor – fica supersensível aos estímulos externos. Assim sendo, uma característica da pessoa com FM é a grande sensibilidade ao toque e à compressão da musculatura pelo examinador ou por outras pessoas.

Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a fibromialgia é uma síndrome clínica que se manifesta com dor no corpo todo, principalmente na musculatura, somado a sintomas de fadiga (cansaço), sono não reparador (a pessoa acorda cansada), alterações de memória e atenção, ansiedade, depressão e alterações intestinais.

Saiba mais sobre essa doença, detalhes dos sintomas, diagnóstico e quais são as possíveis causas no artigo que preparamos abaixo.

Leia também: Teleconsulta – o que é, como funciona e quais as vantagens

Principais sintomas de fibromialgia

Além da dor intensa no corpo, vamos também abordar os outros sintomas que costumam estar presentes na fibromialgia.

1. Dor aguda e frequente no corpo

A dor difusa pelo corpo é o sintoma mais importante da fibromialgia. Clinicamente, é comum que o paciente apresente dificuldade de definir quando começou a dor. Os pacientes relatam que a dor chega a ser sentida “nos ossos”, “na carne” ou ao redor das articulações. Para ser confirmado o diagnóstico, é necessário que a pessoa sinta dor severa em 3 a 6 áreas diferentes do corpo ou dor mais leve em 7 ou mais áreas do corpo por pelo menos 3 meses.

2. Dor intensa ao toque

Há nos pacientes uma maior sensibilidade ao toque, sendo que muitos sofrem ao serem abraçados. Não há inchaço das articulações na FM, pois não há inflamação nas articulações. A sensação de inchaço pode aparecer pela contração da musculatura em resposta à dor.

3. Alterações no sono

A alteração do sono na fibromialgia é muito comum: afeta cerca de 95% dos pacientes. Portadores de fibromialgia apresentam uma dificuldade de manter um sono profundo, tendo um sono tipicamente superficial.

Com o sono profundo interrompido, a qualidade de sono cai muito e a pessoa acorda cansada, mesmo que tenha dormido por um longo período. Esta má qualidade do sono favorece o surgimento da fadiga, da contração muscular e da dor.

4. Cansaço extremo

A fadiga é mais um sintoma clássico da FM, e tudo indica que vai além do cansaço causado somente pelo sono não reparador. Os pacientes apresentam baixa tolerância ao exercício, o que é um grande problema, já que a atividade física é um dos grandes tratamentos da fibromialgia.

5. Depressão

A depressão está presente em 50% dos pacientes com fibromialgia. Por isso, por muito tempo pensou-se que a fibromialgia era uma “depressão mascarada”. Hoje, sabe-se que a dor da fibromialgia é real, e não se deve pensar que o paciente está simplesmente “somatizando”, ou seja, manifestando um problema psicológico através da dor.

Porém, não se pode deixar a depressão e a ansiedade de lado ao avaliar um paciente com fibromialgia. A depressão, por si só, piora o sono, aumenta a fadiga, diminui a disposição para o exercício e aumenta a sensibilidade do corpo. Ela deve ser detectada e devidamente tratada se estiver presente.

6. Alterações de memória e atenção

Pacientes com fibromialgia frequentemente se queixam de alterações de memória e de atenção. Isso acontece devido ao fato da dor ser crônica. Para o corpo, a dor é sempre um sintoma importante e o cérebro dedica energia lidando com esta dor. Desse modo, outras tarefas, tais como memória e atenção, acabam sendo prejudicadas.

7. Outras queixas

Acredita-se que a principal causa da dor intensa e difusa em pacientes com fibromialgia seja uma maior sensibilidade do paciente à dor devido à uma ativação do seu sistema nervoso central. Assim, outros estímulos também são amplificados e causam desconforto aos pacientes.

Dentre eles, um bastante comum é a síndrome do intestino irritável, que atinge em torno de 60% dos pacientes com FM, que apresentam dores abdominais e alteração do ritmo intestinal (para mais ou para menos).

Além disso, os pacientes relatam sensação de pernas inquietas antes de dormir, amortecimento em mãos e pés, dores de cabeça frequentes e aumento da sensibilidade à estímulos ambientais, como cheiros e barulhos fortes.

Leia também: As 10 principais doenças crônicas no Brasil

O desafio do diagnóstico

O diagnóstico de fibromialgia é clínico, não havendo exames que comprovem sua existência, como radiografia ou exame laboratorial. Desse modo, o médico identifica a doença de acordo com os sintomas relatados e por um exame físico, que identifica os pontos dolorosos no corpo.

Esse diagnóstico é realizado pelo especialista por exclusão, sendo recomendado avaliar outras doenças que poderiam ser a causa dos sintomas antes da conclusão final, como por exemplo: hipotireoidismo, artrite reumatoide e doenças autoimunes.

Os critérios mais comuns utilizados para o diagnóstico da fibromialgia são:

  1. Dor por mais de três meses em todo o corpo
  2. Presença de pontos dolorosos na musculatura (11 pontos, de 18 que estão pré-estabelecidos)

Cabe ressaltar que, na reumatologia, são comumente usados critérios diagnósticos para se definir se o paciente tem uma doença reumática ou outra. Isto é importante especialmente quando se faz uma pesquisa, para se garantir que todos os pacientes apresentem o mesmo diagnóstico. No caso da FM, muitas vezes, mesmo que os pacientes não apresentem todos os pontos, o diagnóstico da fibromialgia é feito e o tratamento iniciado. É provável que médico peça alguns exames de sangue, para afastar outras patologias que possam simular essa síndrome.

O que causa a Fibromialgia?

Ainda não existe uma causa única conhecida para a fibromialgia, mas já existem algumas pistas do porquê algumas pessoas têm esta síndrome. Os estudos mais recentes mostram que os pacientes com fibromialgia apresentam uma sensibilidade maior à dor do que pessoas sem FM, o que acontece com a ativação do sistema nervoso, que entra em alerta e faz com que a pessoa sinta mais dor. Dessa forma, nervos, medula e cérebro fazem que qualquer estímulo doloroso tenha sua intensidade aumentada.

O que não mais se discute é se a dor do paciente é real ou não. Hoje, com técnicas que permitem ver o cérebro em funcionamento em tempo real, descobriu-se que pacientes com FM realmente estão sentindo a dor que referem. Entretanto, é uma dor diferente, em que não há lesão na periferia do corpo, e mesmo assim a pessoa sente dor.

Esse melhor entendimento a respeito da fibromialgia indica que muitos sintomas, como a alteração do sono e do humor, que eram considerados causadores da dor, na verdade são decorrentes da dor crônica e da ativação de um sistema de stress crônico.

Um novo estudo, liderado pelo neurocientista Frank Rice, professor do Departamento de Ciências Biomédicas da Universidade Estadual de Nova Iorque, aponta que a causa pode estar literalmente na palma da mão. Como falamos anteriormente, acreditava-se que a fonte de dor era o cérebro, mas esse estudo mostrara que, na verdade, a dor vem do excesso de fibras nervosas sensoriais nas mãos.

Para resolver o mistério da fibromialgia, os pesquisadores concentraram a atenção na pele da mão de uma paciente que tinha uma falta de fibras nervosas sensoriais, que causavam uma reação reduzida à dor. Eles então pegaram amostras da pele das mãos de pacientes com fibromialgia e, foram surpreendidos ao encontrar uma quantidade extremamente excessiva de um determinado tipo de fibra nervosa. Os cientistas descobriram que há uma ligação direta entre estes nervos e a dor corporal generalizada.

Leia também: Conheça 5 dicas para aumentar a imunidade durante a pandemia

A fibromialgia tem cura?

Infelizmente, a resposta é negativa, pois a cura da fibromialgia ainda não foi encontrada.  Mas especialistas indicam que algumas adaptações no estilo de vida e medicamentos são capazes de promover o controle prolongado dos sintomas. Os exercícios físicos são grandes aliados do paciente, senso essa a principal recomendação médica para o tratamento da condição. Além de diminuir a dor, o exercício melhora a depressão, a ansiedade, o sono e a fadiga.

É importante frisar que a automedicação e o autotratamento não são indicados, sendo necessária a avaliação médica individual de cada paciente para realizar um tratamento adequado para aquele indivíduo. No caso da FM, o tratamento deve ser multidisciplinar, combinando remédios e exercícios físicos com práticas como acupuntura e outros tipos de autocuidado.

Fale com um médico

Agora que você descobriu que fibromialgia é doença, e não frescura, é importante entender que os sintomas são verdadeiros e que, quem os sente, está em constante sofrimento e desconforto.

Se você conhece alguém que apresenta os sintomas da fibromialgia, procure conversar com essa pessoa e oferecer ajuda, para e encorajá-la a procurar um profissional. Isso também vale para você, que vive com os sintomas: sua doença é real e você merece um tratamento específico para o seu caso.

Nossa equipe médica online está à disposição para tirar dúvidas sobre sua saúde e dar o encaminhamento adequado via teleconsulta. Em nossa plataforma, sem precisar sair de casa, você pode conversar com um médico do plantão a qualquer momento, 24 horas por dia, ou agendar com um especialista da sua escolha. Não deixe sua saúde pra depois: acesse aqui o nosso site, faça seu cadastro e realize sua consulta agora mesmo ou assim que precisar. Conte com a gente para esclarecer suas queixas e te guiar rumo à retomada da sua qualidade de vida.

 

Fonte:
https://www.reumatologia.org.br/
https://www.folhadelondrina.com.br/saude/fibromialgia-e-a-maior-causa-de-dor-cronica-no-brasil-1017826.html
http://www.blog.saude.gov.br/index.php/materias-especiais/52386-fibromialgia-os-desafios-de-uma-doenca-invisivel
http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/33004-fibromialgia-conhece-essa-dor
https://emedicine.medscape.com/article/329838-overview

Quer realizar uma consulta online com um médico?

  • Prescrição digital e pedidos de exames
  • 100% online e com preços acessíveis

Deixe uma resposta