Conheça também o que é a pediatria online, como funciona e de que forma o atendimento médico à distância pode ajudar o seu filho.

Com a atual crise na saúde mundial, é comum que muitos pais fiquem sem saber como buscar apoio médico para seus filhos em caso de necessidade, especialmente pelo receio da possibilidade de contágio pelo Coronavírus. Seja para tirar uma dúvida, fazer uma consulta de rotina ou para realizar o diagnóstico de algumas doenças, a telemedicina tem sido amplamente buscada durante a pandemia, tendo no atendimento pediátrico remoto uma solução para promover um rápido acolhimento das crianças, orientar a família sobre a melhor conduta e, caso haja necessidade, encaminhar o paciente até um pronto socorro ou uma consulta presencial.

Entenda as diferenças entre Coronavírus, gripe, dengue e rinite

De acordo com Dra. Larissa Quintanilha, médica pediatra da equipe do Médico24hs, a telemedicina sempre foi um coadjuvante no atendimento, mas nesse período pandêmico, ela passou a ser fundamental para diversas ocasiões.

“A telemedicina veio para ficar. Ela já existia, mas não era tão evidenciada ainda. Com essa pandemia, o ser humano precisou se reinventar para se adequar da melhor forma possível a esse ‘novo mundo’ que a gente está tendo que viver. A medicina em si teve que se readaptar para evitar que os hospitais lotassem e pessoas se contaminassem, então o teleatendimento vem só para ajudar. É claro que o exame físico é soberano, mas em inúmeras situações, a gente consegue resolver à distância. A telemedicina é muito boa para orientar de forma ágil, fazer uma triagem das possíveis doenças e para realizar condutas médicas em que a parte visual seja predominante.

Eu tenho certeza que, depois que acabar essa pandemia, a telemedicina vai seguir em alta, porque agora as pessoas conhecem e confiam naquele profissional que está ali, do outro lado da tela, observando tudo com carinho. O médico consegue, com a videoconferência, analisar questões do dia-a-dia, por ‘entrar’ na casa do paciente, ver como as coisas funcionam naquela família, então é até possível entender diversos aspectos sociais que podem colaborar com o diagnóstico final”, relata a pediatra.

Como funciona a teleconsulta com o pediatra?

Para realizar uma consulta online com um pediatra em nossa plataforma, é muito simples. Basta acessar nosso site, fazer o cadastro, escolher o médico por quem você deseja ser atendido, assim como qual a melhor data e horário. Em seguida, realizar o pagamento da consulta e aguardar pontualmente no horário agendado. É importante testar o áudio e a câmera do seu celular ou computador, para garantir que funcionem de maneira adequada durante o atendimento, já que são ferramentas fundamentais para o sucesso da videoconferência.

“Geralmente, eu peço para o pai ou a mãe pesarem a criança, medirem sua altura, e então procuro ver se a criança tem algum tipo de comorbidade, se já teve alguma doença anterior, se ficou internado e por qual motivo, saber se a família tem alguma doença – para levantar se há algo de origem genética. O mais importante, é saber o que a criança tem naquele momento, quais são seus sintomas, observá-la atentamente, então ela precisa estar presente na consulta. Ver o paciente é fundamental nesse processo virtual, pois a minha conduta é baseada no que eu vejo do paciente e na história dele, assim como no que eu ensino os pais a checarem e me repassarem.

Muitas vezes, a família procura a gente só para tirar uma dúvida, ou por que querem fazer um atendimento de rotina, pois não conseguem ir ao pediatra. Há casos da criança realmente ter alguns sintomas e os pais ficarem receosos de levarem o filho ao hospital devido ao COVID-19. E enquanto eu vou conversando com a mãe ou o pai, posso reparar na criança correndo para cima e para baixo, pulando, brincando, ou então eu noto que a criança está caidinha na cama, observo a respiração, a cor da pele, se a criança está muito prostrada ou se está aparentemente normal”, conta Dra. Larissa.

Quais as principais doenças diagnosticadas por pediatras online?

De acordo com a médica, a telemedicina, especialmente na pediatria – em que os pacientes são muito novos e ainda não sabem explicar alguns sintomas – ajuda bastante no diagnóstico de doenças que envolvem aspecto visual. Confira, então, quais são as doenças de crianças que mais atendemos no Médico24hs.

1. Gastroenrerocolite (Geca)

Se trata de um distúrbio digestivo de causa viral ou bacteriana, que pode ser causada também por alimentos mal conservados ou crus e mãos sujas. Durante a pandemia, devido às mudanças no hábito alimentar das famílias, tem sido ainda mais comum nos pequenos. Os sintomas são: febre alta, dor abdominal, diarreia, gases, vomito, dor de cabeça, náusea, perda de apetite e o mais grave, que é a desidratação.

Caso o paciente chegue ao ponto de ficar desidratado, os sinais são: olhos fundos, com olheiras, boca seca, criança sem lágrimas, muito irritada, chorando bastante ou prostrada, fazendo pouco xixi. Nesse caso, o médico que realiza o atendimento via telemedicina pode, inclusive, orientar que a família leve a criança a um pronto-atendimento.

2. Urticária

É uma doença dermatológica que pode ter diversas origens, como medicamentosa, alimentícia, infecção viral ou causa idiopática (sem causa específica). A criança tem manchas vermelhas pelo corpo, que coçam muito e ficam altas na pele. Pode aparecer em 1 ou 2 horas após a ingestão de algo, até como durar de 24 a 36 horas. As placas têm tamanhos diferentes, com limites imprecisos, e podem aparecer em diversas partes do corpo, migrando de um lugar para o outro. A criança fica muito irritada, principalmente o bebê, que não consegue coçar.

Ela também pode aparecer tardiamente e se tratar de uma doença crônica ou aguda – quando acontece novamente em um intervalo de tempo muito pequeno. Nesse caso, pode ser causado um angioedema, que fecha a parte da via aérea do paciente, sendo essa a fase mais grave da doença, que gera falta de ar e esforço respiratório.  Neste caso, é importante ir imediatamente para um atendimento de emergência.

3. Amigdalite

É uma doença de origem viral ou bacteriana, que tem correlação com transmissão respiratória ou através do compartilhamento de talheres, por exemplo, do adulto para a criança. Isso ajuda na disseminação, pois o adulto é muito mais resistente do que os pequenos e pode transmitir essa e outras doenças pela saliva. Os sintomas são dor de garanta, garganta vermelha e com pus, dificuldade para comer e beber – devido à dor para engolir, dor de ouvido reflexa, febre alta, vomito e linfonodos (íngua) aumentados e dolorosos no pescoço. Pode estar associada à sintomas respiratórios, como coriza e tosse, assim como à dor de cabeça.

O diagnóstico online, quando as crianças são muito pequenas, requer habilidade da família que, orientadas pelo médico, devem abrir a boca da criança e filmar a garganta, com uma lanterna ou algum foco de luz.  Dependendo do estado clínico, o paciente deve ser encaminhado para o pronto-socorro.

4. Estomatite

Estomatite é uma inflamação viral muito comum na fase escolar, especialmente em crianças de 1 a 5 anos. Apesar da palavra remeter à estômago, no grego, stoma se refere à boca, sendo essa uma doença que acomete a cavidade bucal com diversas feridas, ou aftas, que podem se estender até a garganta, causando um grande incômodo e provocando lesões muito dolorosas.

Esse quadro surge então, normalmente, quando as crianças começam a frenquentar a creche ou escolinhas e a trocar secreções com os amiguinhos. Os sintomas são aftas – feridas esbranquiçadas, com bordas avermelhadas por toda a boca (lábios, gengiva, língua, palato, amigdalas), dificuldade e dor para engolir e febre.

Por ser altamente contagiosa e desconfortável, a indicação é que a criança acometida pela doença permaneça em casa, para não transmitir o vírus e cuidar de sua imunidade. Nossa equipe está à disposição para cuidar do seu filho.

5. Infecção Urinária

A infecção urinária atinge os órgãos do trato urinário (rins, uretra, ureteres e bexiga), responsáveis por filtrar e eliminar a urina. Mas bactérias podem invadir esse sistema e causar a infecção.  Nos adultos, os sintomas já são bastante conhecidos, como ardor ao urinar, forte odor na urina ou incontinência urinária. Entretanto, as crianças não só têm dificuldade de perceber e explicar os sintomas, como eles podem se manifestar de formas diferentes. Por isso, os pais precisam estar atentos caso apareça uma febre sem causa aparente, vômitos, perda de apetite, dores abdominal ou lombar, diarreia ou constipação e, claro, muita irritabilidade.

Com o isolamento social, as crianças estão em casa e com a rotina desregulada. Querem brincar, brincar e brincar, e muitas vezes, se esquecem de fazer xixi. Além disso, os pequenos estão mais expostos a doenças, já que seu sistema imunológico ainda está em formação. Por isso, ao sinal de qualquer sintoma, é imprescindível procurar um médico.

“Às vezes os pais só querem tirar uma dúvida e nem sempre o pediatra da criança está disponível. Pode ser sobre vacina, ou um apoio para um recém-nascido que não recebeu orientações mais completas na maternidade, ou ainda a mãe não sabe se está amamentando corretamente, limpando o umbigo, dando o banho, ou simplesmente a família está mesmo receosa de ir à primeira consulta com o pediatra. Pela teleconsulta, estamos à disposição, e caso percebamos que a criança precisa de um acompanhamento presencial, isso será prontamente indicado aos pais”, completa Dra. Larissa Quintanilha.

Seu filho está com alguma queixa de saúde ou você gostaria de tirar alguma dúvida com um profissional especialista? Agende já sua consulta online com um pediatra de nossa plataforma. Transcrevemos receitas digitais de tarjas branca e vermelha (inclusive antibióticos), fazemos pedidos de exames e estamos à disposição, de você e sua família, para promover um acolhimento ágil logo que precisarem. Falar com um médico nunca foi tão fácil!

Brasil Telemedicina

Autor Brasil Telemedicina

Mais artigos por Brasil Telemedicina

Deixe uma resposta















 
close-link