Confira 17 sintomas da Tensão Pré Menstrual, condição que atinge 80% das mulheres no Brasil.

Só de ouvir falar nessa sigla, muitas mulheres já sentem calafrios, afinal, a TPM é um estado de saúde que gera inúmeros desconfortos físicos e mentais. E, não se engane: ao contrário do que muita gente ainda pensa, não é frescura ou invenção das mulheres, sendo uma condição já comprovada cientificamente e que necessita de atenção médica. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 80% das mulheres têm TPM, o que demonstra que a grande maioria delas sofre, é incompreendida e pode não estar recebendo o apoio adequado, até mesmo dos familiares e amigos.

A Tensão Pré Menstrual acontece no período que antecede a menstruação, quando alterações hormonais, que interferem no sistema nervoso central, causam inúmeros sintomas na mulher, que podem desaparecer no primeiro dia do fluxo menstrual ou somente ao fim do ciclo. Todo esse incômodo ocorre pois há uma conexão entre os hormônios sexuais femininos, as endorfinas (substâncias naturais ligadas à sensação de prazer) e os neurotransmissores, tais como a serotonina, o que reflete consideravelmente na qualidade de vida da portadora.

A ciência ainda estuda esse fenômeno que ocorre no corpo feminino, assim como por que algumas mulheres apresentam casos mais graves do que outras, mas acredita-se que a TPM tem sua causa em uma combinação de fatores, como genética, alimentação, questões psicológicas e as já citadas mudanças hormonais.

O ciclo menstrual é o responsável para preparar o corpo da mulher para uma possível gestação.  Ao fim dos 14 dias do ciclo, o óvulo é liberado pelo ovário e se inicia o período da ovulação. Com o término dele, os sintomas da TPM começam a surgir, e então os ovários aumentam a produção dos hormônios estrógeno e iniciam a produção do hormônio progesterona com o intuito de preparar o útero da mulher para uma gravidez.

 Quando a fecundação não acontece, a produção de estrógeno e progesterona cai, e essa redução hormonal faz com que o endométrio seja descartado, ocasionando a menstruação. Com a menstruação, os sintomas da TPM tendem a acabar entre um e dois dias depois”, explica Dra. Luciane Camargo, médica ginecologista e endocrinologista.

Leia também: Conheça 6 doenças que atingem apenas as mulheres

Médicos plantonistas na palma da sua mão

Quero consultar agora

Médicos plantonistas na palma da sua mão

De acordo com a especialista, estudos indicam que os hormônios estrógeno e progesterona podem interagir com alguns compostos químicos do cérebro (os neurotransmissores) e que o resultado dessa interação afeta o humor e outros sintomas percebidos durante a TPM.

Entenda o papel de alguns neurotransmissores:

Serotonina: gera sentimentos de bem-estar e regula os padrões de sono e humor, mas a queda na quantidade de estrógeno está ligada a uma queda na quantidade de serotonina, o que provoca irritação, depressão, ansiedade e desejo por carboidratos.

Ácido gama-aminobutírico: está associado à depressão e à ansiedade, e a progesterona pode aumentar a atividade dele.

Endorfinas: são neurotransmissoras que aumentam a sensação de prazer e diminuem a dor. Elas podem ter suas atividades afetadas pela presença em grande quantidade de progesterona e estrógeno.

Adrenalina e noradrenalina: estão envolvidas na resposta do organismo ao estresse, e o estrógeno pode afetar as atividades dos dois neurotransmissores, influenciando na pressão sanguínea, frequência cardíaca e humor.

A TPM se divide em 4 principais grupos, conforme manifestações clínicas:

  • A –A mulher sofre mais com ansiedade, tensão nervosa e irritabilidade.
  • H –São verificados um aumento do inchaço, dores nas mamas e abdominais e aumento de peso.
  • C – Ocorrem dores de cabeça, tremores, fadiga, palpitação e aumento de apetite.
  • D –Se destaca pelo quadro depressivo.

Leia também: Confira 8 exemplos de quando procurar o apoio do plantão médico online

Os principais sintomas da TPM

Temíveis e desconfortáveis, os sintomas da Tensão Pré-Menstrual podem ser físicos ou emocionais, sendo que cada mulher tem uma manifestação particular nesse período. Confira quais são os mais comuns:

Sintomas Emocionais

  1. Depressão
  2. Tristeza e vontade de chorar
  3. Irritabilidade
  4. Ansiedade
  5. Insônia
  6. Fome em excesso ou falta de apetite
  7. Sonolência
  8. Dificuldade de concentração
  9. Cansaço

Sintomas Físicos

  1. Dor de cabeça
  2. Fome em excesso ou falta de apetite
  3. Sonolência
  4. Acne
  5. Aumento de peso
  6. Inchaço nas mamas
  7. Dores osteomusculares
  8. Distensão abdominal

Importante ressaltar que, para diagnosticar a Tensão Pré-Menstrual, não é necessária a ocorrência de todos esses sintomas, que desaparecem com o fluxo, mas de alguns deles, conforme avaliação da frequência e dos dias que eles surgem.

Leia também: 11 principais causas de infertilidade feminina e masculina

Diagnóstico e Tratamento da Tensão Pré Menstrual

As especialidades que tratam e diagnosticam a TPM são os ginecologistas, endocrinologistas e clínicos gerais. O tempo de diagnóstico, de maneira geral, pode ser demorado, por conta da falta de exames que comprovem a existência da Tensão Pré-Menstrual. É comum que as mulheres com sintomas mais graves visitem médicos e médicos com inúmeras queixas, que são facilmente confundidas com outras doenças. Por isso, salientamos que é fundamental que, caso você sinta algum desconforto, não demore a procurar ajuda e que relate com exatidão todos os sintomas que sente e o período que eles ocorrem.

Agora, vem a parte de te trazer um alívio e esperança: a TPM tem tratamento! Confira os principais abaixo:

Pílula anticoncepcional: Já que a TPM está ligada à ovulação, muitas mulheres podem se beneficiar do uso da pílula anticoncepcional, que suspende a menstruação. Um ginecologista indicará a mais adequada para o seu quadro clínico e estilo de vida. Há, ainda, a opção da colocação de um DIU Hormonal.

Antidepressivos: Em casos graves, é necessária uma medicação mais específica. Atualmente, os medicamentos com melhores resultados são os antidepressivos. Eles melhoram muito a qualidade de vida das mulheres com a disfunção, aliviando especialmente as queixas emocionais. Assim, nesse caso indicamos um tratamento multiprofissional, com a atuação do ginecologista, endocrinologista, psiquiatra e psicólogo, pra apoio com psicoterapia.

Vitaminas, minerais e ácidos: Clinicamente, os profissionais notam resultados de tratamentos com a vitamina B6 (piridoxina), a vitamina E, o cálcio e o magnésio, sendo algumas das substâncias que demonstram melhora nos sintomas. Além deles, o mesmo ocorre com o ácido gama linoleico, que é um ácido graxo essencial presente no óleo de prímula. Para esse tratamento, o médico endocrinologista certamente pedirá alguns exames laboratoriais, a fim de realizar um acompanhamento particular do seu caso e indicar a suplementação necessária para você.

Leia também: Conheça os riscos da automedicação e entenda por que evita-la

Dicas para conviver melhor com a TPM

Para a maioria das mulheres, a TPM costuma atrapalhar suas tarefas cotidianas, tanto as profissionais quanto as pessoais. Confira algumas dicas que amenizam os sintomas nesse período:

1. Realize atividades que proporcionem bem-estar

Tenha um hobby, passeie no parque, vá ao cinema e faça atividades que te tragam alegria. Converse com amigos, abrace quem você ama e busque sorrir com mais frequência.

2. Faça exercícios físicos regularmente

Escolha o que mais te agrada, seja uma caminhada, andar de bicicleta, natação, musculação, corrida ou jogar tênis. A atividade física ajuda a reduzir a tensão e a melhorar sua autoestima, além dos diversos outros benefícios para sua saúde.

3. Controle sua agenda

Nos dias que antecedem sua menstruação, evite agendar compromissos de grande importância, até que seu tratamento comece a fazer efeito. Para isso, você pode baixar um aplicativo de controle menstrual e estar atenta ao calendário.

4. Afaste os pensamentos negativos

Além do apoio que uma psicoterapia certamente pode ter trazer, evite notícias negativas, pessoas que te trazem excesso de preocupações, e troque tudo isso por ser otimista e mentalizar coisas boas. A TPM pode ser controlada, especialmente com o seu apoio em se manter positiva.

5. Tenha uma alimentação balanceada

Não é mais segredo para ninguém que a alimentação interfere no bom funcionamento do nosso organismo e na prevenção de inúmeras doenças. Coma verduras, frutas e legumes e evite alimentos muito industrializados e fritos.

7. Reduza o sal

O sódio ajuda a desencadear os inchaços – tão frequentes em quem tem TPM, pois contribui para a retenção de líquidos. Por isso, diminua o seu consumo especialmente durante esse período.

8. Redobre os cuidados com a pele

Durante a TPM, há um aumento de oleosidade da pele e, com ela, o surgimento de acne. Por isso, procure um dermatologista para cuidar de sua pele e, claro, a alimentação balanceada também vai ter ajudar neste item.

Leia também: Teleconsulta – o que é, como funciona e quais as vantagens

Realize agora uma teleconsulta

Concluindo, mesmo não tendo um diagnóstico e tratamento específicos, os médicos especialistas no assunto entendem o quadro de sintomas que existe na TPM, e direcionam a paciente a um tratamento correto e personalizado, a fim de reduzir os incômodos e trazer mais bem-estar.

Caso você sinta esse sofrimento todos os meses, não espere sua próxima menstruação: procure o nosso plantão médico virtual 24 horas imediatamente e explique seu problema para iniciar o melhor tratamento para o seu caso. Nossa equipe está à disposição, todos os dias, a qualquer momento, para ser o apoio que você precisa. Conte com a gente, sem sair de casa e sem fila de espera: a teleconsulta é totalmente online!

Quer realizar uma consulta online com um médico?

  • Prescrição digital e pedidos de exames
  • 100% online e com preços acessíveis

Deixe uma resposta